domingo, novembro 06, 2005

O inverno da minha calma



Lá fora o sol brilha
Aqui, em mim, o inverno apossou-se da minha alma
Deixando-me assim ... sem cor e sem vontade
Plena de desejos escondidos e vontades perdidas
E assim me desencontrei de mim mesma e da minha calma
Transformando-me neste ser irreconhecível e mutante
Que como o vento se espalha pela vida
E estranhamente não deixa rasto nem marca
Na alma de quem ama
E sim naquela de quem não quer

5 Comments:

Blogger Francis said...

Curioso, por vários espaços onde passei, o sentimento é... azul escuro.
Serão fases ou um vírus na blogosfera :-)

2:12 da tarde  
Blogger GNM said...

As tuas palavras estão repletas de sentimento...

Tenta sorrir!

1:44 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Anima-te... vais ver que o inverno vai passar rápido, só tem de ter esperança e de procurares nas tuas memórias as coisas boas da vida! Não penses nas coisas más... essas não interessam!

Beijinhos grandes!

6:49 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Esse sentimento apodera-se da nossa alma e do nosso corpo. É bom pois faz-nos pensar, mas ao mesmo tempo é triste. Melhores momentos virão, concerteza.

11:18 da manhã  
Blogger ¦☆¦Jøhη¦☆¦ said...

Conheço esse Inverno de que falas... sei bem quão gélido é, e o efeito que provoca na nossa alma...

Um beijinho, João.

2:39 da tarde  

Publicar um comentário

<< Home