terça-feira, dezembro 27, 2005

A bola de vidente


















Queria ser uma bola de vidente
Para saber o que vai na tua mente
Essa mente estranha e que tanto mente
A si mesma

Essa mente que tanto me leva ao cume
da alegria
quanto
à mais profunda tristeza

Essa mente que por vezes te trai
E deixa ver que tens tanto para dar
E que tanto queres receber
Essa mente que no instante seguinte
Te fecha os sentimentos e te deixa indiferente

Essa mente que procuro entender
Que busco perceber
Quando nos raros momentos
Em que mostra o teu verdadeiro ser
Pega em mim e leva-me
Procura-me desesperadamente
E faz-me infinitamente
Feliz

Essa mente que quando se fecha
Quando te afasta de mim
Me abandona e
Me faz profundamente
Infeliz

17 Comments:

Blogger AS said...

Minha querida, por vezes basta olhar bem no fundo dos olhos...

Um beijo grande

6:14 da tarde  
Blogger lena said...

não deixes que te façam infeliz, vai procurar esses momentos e tenta que voltem para ti

beijinhos meus

lena

7:17 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Entrei no seu cantino por acaso e gostei muito do que li...Desejo-lhe um bom ano 2006. Beijinho

7:17 da tarde  
Blogger GNM said...

Belíssimo poema, como sempre!

Espero que entres muito bem no novo ano!

Diverte-te e sorri!

8:35 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Os opostos podem ter-se atraido mas não se mantêm ligados,fugaz...vi,sei,sinto...os iguais? ..esses têm estas sinusoides,como todo o sentir tem,os dias,a vida...
Tocou-me o poema,claro que doi mas é lindo,talvez eu entenda,sei lá|
eu

12:32 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Gosto desta música,com este poema é quase uma maldade,verdade,ninguém me manda andar a ler a estas horas coisas bonitas como estas...mas é uma tentação,bem,bem,ficamos assim!beijinho
lua

12:45 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

As vezes mais vale não saber....

BJOKAS

11:13 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Infelizmente não a temos, mas era bom. Se calhar evitávamos muitas coisas desagradáveis... mas será que tinha piada? Bjinhos.

11:35 da manhã  
Blogger Francis said...

Se pudessemos ler o que vai na mente dos outros, creio que a vida seria uma monotonia.
Muitos beijinhos e continuação de Boas Festas!

1:55 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

um grande post na recta final de 2006 (=

**F e L i Z 2 0 0 6** bjs

8:29 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Amei.

10:37 da tarde  
Blogger LUZ DO TEU OLHAR said...

Espero que sintas o tempo parar nesse momento no qual dizes ser infinitamente feliz.
Beijinho.

10:40 da tarde  
Blogger Clitie said...

:-(

10:55 da tarde  
Blogger Carla said...

A mente é um universo dificil de compreender, por vezes e lamentavelmente até os próprios não sabem com a sua mente conviver...

Bjx

12:54 da manhã  
Blogger ¦☆¦Jøhη¦☆¦ said...

Adorei a construção e o tema deste poema! Está algo de transcendental, simbólico... muito bem cuidado e com uma mensagem de amor muito bonita. No entanto, tem a sua quota parte de tristeza... vai do "cume da alegria" "à mais profunda tristeza"... como o amor que é um sentimento tão bonito, aparece tantas vezes associado à tristeza... é muitas vezes, quando algo corre mal, e a "mente" da pessoa amada "nos afasta" que nós entramos num estado em que escrevemos poemas assim como este... poemas que se sente que são sentidos por quem os escreve! E são esses poemas que eu gosto de ler e de sentir... apesar de me recordarem da minha própria dor...

Um beijinho, João.

1:30 da manhã  
Blogger Fernanda said...

Simplesmente... Lindo!!
Adorei!

Boas festas para ti!
~º(",)º~
Fernanda

1:36 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

"Essa mente que por vezes te trai
E deixa ver que tens tanto para dar
E que tanto queres receber
Essa mente que no instante seguinte
Te fecha os sentimentos e te deixa indiferente"

Tão certo!!!

Amiga, está lindo este texto e a música dá-lhe tanta força!!
Beijão grande!

6:51 da tarde  

Publicar um comentário

<< Home